Geneal promove avanço da raça Nelore com banco genético

Por meio do congelamento de embriões e ovócitos, o banco genético do laboratório Geneal, que pertence às empresas Brasif, permite guardar a variabilidade genética de uma determinada raça. O Brasil é o maior exportador de proteína vermelha do mundo. Para manter essa liderança de mercado, é necessário investir no melhoramento genético do rebanho a fim de aumentar a rentabilidade da pecuária e a competitividade do agronegócio no Brasil.

“Para ter sucesso no seu rebanho, o criador necessita ter diferentes exemplares dentro da mesma raça. Hoje, podemos perpetuar o indivíduo que se destaca ao congelar seu material genético. Ao associar esse gene a outros que podem aparecer em indivíduos no futuro, trazemos à tona o melhoramento genético da espécie”, afirma o presidente da Brasif e idealizador do projeto, Jonas Barcellos.

Material genético da Geneal

Esse material genético fornece para o criador uma espécie de apólice de seguro do animal, que pode ser usado em caso de morte precoce (causada por acidentes) ou ainda quando o animal tem uma demanda comercial maior do que consegue produzir (mais especificamente para vacas do que touros).

GENEAL

“O que a Geneal faz hoje é isolar as células daqueles animais que são diferentes dentro da fazenda e guardar isso como uma apólice de seguro, permitindo que criador retorne essa genética de volta para o rebanho, em caso de acidente ou para atender uma demanda de mercado”, afirma Rodolfo Rumpf, Diretor Executivo da Geneal.

Ao analisar as características de um animal, como o ganho de peso, por exemplo, existe uma distribuição do padrão da raça. Alguns animais estão abaixo e outros acima dessa curva. O criador, então, escolhe os melhores representantes que possui no rebanho, para assim aumentar a seleção para a característica desejada.

“A base da pirâmide hoje é composta pelo o gado comercial, que não tem alto valor de mercado e vai direto para o frigorífico. Com o melhoramento genético, por meio da clonagem e da eficiência reprodutiva (FIV), busca-se ter ganhos na qualidade dos animais, melhorando assim, seu valor por arroba”, conclui Rumpf.

Sobre a Brasif 

Brasif foi fundada em 1965, por Jonas Barcellos, para atuar no setor de produtos siderúrgicos. Hoje, suas atividades atuais se estendem aos mais variados segmentos, como venda e aluguel de máquinas pesadas, varejo, empreendimentos imobiliários, investimentos financeiros, biotecnologia, açúcar, álcool e bioenergia, agricultura e pecuária.

Desde sua fundação, a Brasif busca criar valor no longo prazo, através do empreendedorismo, pioneirismo, inovação e antecipação de tendências econômicas. A Brasif também busca continuamente melhorar a rentabilidade de seus negócios através do crescimento e do aumento da eficiência operacional.

Relacionadas:

http://www.brasif.com.br/noticia/historia-de-sucesso-astor-o-clone-campeao/

http://www.brasif.com.br/noticia/banco-genetico-do-laboratorio-geneal-proporciona-melhoramento-da-raca-nelore/